Visão em Dia

Erros de refração são as principais causas de deficiência visual na infância

Os erros de refração - miopia, astigmatismo e hipermetropia - são as principais causas de deficiência visual na infância. O alerta, no mês da criança, é de Carla Cordeiro Vita, oftalmologista do DayHORC – unidade que integra o Opty na Bahia, maior grupo de oftalmologia da América Latina. Ela orienta que os pais fiquem de olho nos sinais de problemas na visão, nesta fase da vida, a exemplo de dor de cabeça frequente, coceira nos olhos constantemente, dificuldade para enxergar de longe, olhar cansado e queda de rendimento escolar.

No Brasil, estima-se que 12,8 milhões de crianças entre 5 a 15 anos apresentam deficiência visual por erros refrativos não corrigidos, segundo levantamento do Ministério da Saúde. Além disso, outras disfunções, como catarata e glaucoma congênitos, comprometem a visão de forma grave. Para o Conselho Brasileiro de Oftalmologia, com base na estimativa da Agência Internacional de Prevenção à Cegueira, é possível considerar que no Brasil existam 26 mil crianças cegas por doenças oculares que poderiam ter sido evitadas ou controladas precocemente                                     Dra. Renata Messeder (Instituto de Olhos Freitas) e Dra. Carla Cordeiro (DayHORC)

A melhor estratégia, portanto, é prevenir, diagnosticar e tratar a queixa ocular logo no seu início. De acordo com Carla Cordeiro, os cuidados devem começar já na gravidez, durante o pré-natal, período em que o especialista realiza exames e acompanha condições nas gestantes que podem colocar em risco a visão do feto, como rubéola, toxoplasmose, sífilis e herpes.

“Ao nascer ou logo na primeira semana do pós-parto, de preferência, os recém-nascidos precisam ser submetidos ao teste do olhinho. Ele é essencial para investigar males que exigem cuidados urgentes, tais como catarata e glaucoma congênitos, além do retinoblastoma (tumor na retina). Caso esteja tudo bem com a visão, um exame completo deverá ser feito no primeiro ano de vida e, a partir daí, anualmente”, detalha a médica.

Os cuidados continuam

A oftalmopediatra Renata Messeder, do Instituto de Olhos Freitas, que é outra unidade do Grupo Opty na Bahia, ressalta que na pré-escola (dos 4 aos 6 anos) e na segunda infância (dos 6 anos até a puberdade) as crianças também não podem deixar de ter acompanhamento oftalmológico, já que nessas fases são comuns os casos de miopia (dificuldade de ver de longe), astigmatismo (a imagem é distorcida) e hipermetropia (objetos próximos ficam embaçados), sobretudo por conta do uso de telas, como celular, tablet, computador e televisão.

A oftalmologista ainda alerta para outra disfunção que pode afetar a capacidade visual na infância, que é o estrabismo - o desalinhamento dos olhos, que é uma condição que atinge cerca de 5% da população infantil e tem diferentes formas: para frente, para dentro, para fora, cima ou baixo. “Vale lembrar que, até por volta dos seis meses, é normal o desvio dos olhos. Contudo, se permanecer depois dessa idade, um oftalmopediatra deve ser consultado. Com o estrabismo, os olhos não focam a imagem no mesmo sentido, ao mesmo tempo, o que pode levar à diminuição da capacidade de enxergar, perda da percepção de profundidade e visão dupla. Por isso a importância de iniciar a correção precocemente, com o tratamento especializado, que pode incluir o uso de óculos especiais, tampão, exercícios para os olhos ou cirurgia”, explica Renata Messeder, que também dá dicas aos pais para os principais sinais de desconfortos visuais.

1.    Pisca ou esfrega os olhos com frequência – O motivo talvez seja erro de refração (miopia, astigmatismo ou hipermetropia), reação alérgica (por diferentes fatores) ou a algum corpo estranho no olho, ou tique por ansiedade, estresse. O ideal é consultar o oftalmopediatra.

2.    Fica desatenta às atividades escolares – Crianças com problema de vista costumam perder interesse por atividades em sala de aula, evitando ler, desenhar, jogar ou fazer outros projetos que precisam de foco de perto. Elas podem ser sutis sobre isso e não falar sobre o que estão sentindo.

3.    Tem olhos desalinhados – Um olho pode estar fixando para frente, enquanto o outro, para dentro, para fora, cima ou baixo. Assim os olhos não fixam exatamente na mesma direção ao mesmo tempo. Se não for resolvido, há risco de perda de visão no olho com desvio.

4.    Possui olhos dilatados ou pupilas grandes – É comum que as pupilas das crianças pareçam maiores do que as dos adultos, principalmente nos olhos claros expostos à luz natural ou artificial. Certos medicamentos afetam o tamanho da pupila, como fármacos receitados para transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (o TDAH). Se uma pupila parece consistentemente maior do que a outra ou há dúvida, consulte o oftalmopediatra.

5.    Sente desconforto e/ou coceira – São sinais que costumam ser temporários e associados a alergias. Podem ser acompanhados de lacrimejamento e/ou sensação de queimação e pálpebras inchadas. Evite que a criança crie o hábito de coçar os olhos, porque isso é prejudicial à córnea.

6.    Dorme com os olhos abertos – Quando as crianças entram em sono profundo é comum que seus olhos se abram um pouco e até se movam. Isso, geralmente, não deve ser motivo de preocupação. Se costumam dormir com os olhos abertos em local com ar-condicionado ou ventilador, os olhos podem ficar secos e vermelhos ao acordar. Na maior parte das vezes, o oftalmologista receita, se necessário, pomada ou colírio para manter os olhos suficientemente úmidos e evitar danos à córnea.

7.    Apresenta crosta ou gosma nos olhos – A secreção do olho pode secar nas pálpebras e nos cílios e formar crostas. A inflamação das bordas das pálpebras (blefarite) e nas glândulas sebáceas das pálpebras pode ser o motivo. O entupimento do canal lacrimal também forma crostas. Nesses casos, é preciso consultar o oftalmopediatra.

8.    Inclina a cabeça ou cobre um olho – Isso acontece porque a criança sente necessidade de ajustar o ângulo para uma melhor visão. A consulta com o oftalmopediatra vai esclarecer se o comportamento é decorrente de desalinhamento dos olhos, olho preguiçoso (ambliopia) ou outra disfunção. Inclinar a cabeça também pode ser hábito por erro de refração. Algumas crianças com astigmatismo viram o rosto para o lado para ver com mais clareza.

9.    Passa muito tempo diante de telas – Observe se a criança passa horas diante de telas e pouco tempo em ambientes ao ar livre sem exposição à luz solar. Esse hábito prejudica a saúde, inclusive ocular, como, por exemplo, eleva o risco de desenvolver ou agravar miopia.

Sobre o Grupo Opty

O Grupo Opty nasceu em abril de 2016, a partir da união de médicos oftalmologistas apoiados pelo Pátria Investimentos, que deu origem a um negócio pioneiro no setor oftalmológico do Brasil. O grupo aplica um novo modelo de gestão associativa que permite ampliar o poder de negociação, o ganho em escala e o acesso às tecnologias de alto custo, preservando a prática da oftalmologia humanizada e oferecendo tratamentos e serviços de última geração em diferentes regiões do País. Nesse formato, o médico mantém sua participação nas decisões estratégicas e concentra seu foco no exercício da medicina.

 

Atualmente, é o maior grupo de oftalmologia da América Latina, agregando 28 marcas, totalizando 85 unidades, aproximadamente 3000 colaboradores e 1400 médicos oftalmologistas. Além das marcas próprias HOBrasil (BA, DF, RJ e SP) e Centro Oftalmológico Dr. Vis (PE, RJ, SP e SC), fazem parte dos associados: o Hospital Oftalmológico de Brasília (DF), Hospital de Olhos INOB (DF), Hospital de Olhos do Gama (DF), Visão Hospital dos Olhos (DF), Instituto de Olhos Freitas (BA), o DayHORC (BA), Instituto de Olhos Villas (BA), Oftalmoclin (BA), Oftalmodiagnose (BA), Hospital de Olhos Santa Luzia (AL), Hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem (SC), Centro Oftalmológico Jaraguá do Sul (SC), Sadalla.Smart (SC), HCLOE (SP), Visclin Oftalmologia (SP), Eye Center Oftalmologia (RJ), COSC (RJ), Oftalmax Hospital de Olhos (PE), UPO Oftalmologia – Unidade Paulista de Oftalmologia (SP), HMO – Hospital Medicina dos Olhos (SP), Instituto da Visão São José dos Campos (SP), Visão Center (PE), Íris Oftalmo (PE), SEOPE (PE) e CEOP – Centro de Olhos do Pará (PA). Visite www.opty.com.br


Comentários

Veja Também

[Garoto estilista, de 8 anos, diz que foi Gucci na vida passada! ]

O garoto criou para a estrela de Hollywood Sharon Stone uma peça que ele chamou de "O casaco voador Shmarshmallow"

Fique Informado!!

Deixe seu email para receber as últimas notícia do dia!